Filip Dujardin

Filip Dujardin é um fotográfo belga que além de fazer fotos tradicionais, constrói digitalmente imagens de edifícios imaginários. A série de fotografias entituladas fictions é um primor, mesclando o mundo real a fértil imaginação do fotógrafo. Muitos dos edifícios concebidos visualmente por Dujardin são inviáveis de serem construídos, ora pela estrutura, ora pela implantação. O que dá graça e valor ao trabalho são as justaposições de escalas e materiais, dando uma forma improvável a edifícios existentes. A primeira vista, as imagens parecem ter saído da vida real, de alguma cidade de verdade, mas olhando mais atentamente, o espectador perceberá que não, os edifícios simplesmente não poderiam ser materalizados! A ficção engana o olhar de quem vê as fotos, mas não por muito tempo.

via

selva de pedra

Projeto da DUS Architects, o Unlimited Urban Woods, é um pequeno pavilhão forrado de espelhos com um árvore no meio. A ilusão de ótica cria uma floresta infinita, bem no meio da praça de Oosterdokskade, em Amsterdã. A instalação é simples e divertida, uma brecha verde no meio da selva de pedra.

Eu vi no Architecture (ele tem dó dos holandeses por isso, eu, ao contrário, consigo enxergar uma certa ironia e achar graça da proposta!).

Notícia original daqui.

haja paciência!

alias.jpg

alias2.jpg

Se já é difícil montar o cubo mágico sem se preocupar com nenhum desenho, imagina construir imagens com vários cubos. Os Space Invaders estão dominando o mundo!

Mais uma preciosa dica do José Henrique (obrigada!).

variações sobre o mesmo tema

pencil9.jpg

pencil3.jpgpencil11.jpg

pencil6.jpgpencil1.jpg

O designer Yuta Watanabe desenvolveu a linha A Dozen Pencils, que teve como proposta explorar a percepção e intuição dos usuários com  objetos de uso cotidiano. Os lápis foram redesenhados partindo de conceitos simples, como memória, humor e o uso do objeto em si.

felice varini

varini1.jpg 

varini2.jpg

O trabalho do artista plástico Felice Varini tem como suporte o espaço arquitetônico e a busca da terceira dimensão. É tão incrível que eu passei um tempão olhando as fotos do curioso e impressionante trabalho do artista. A partir de estudos aprofundados dos espaços em que serão executadas, as pinturas revelam-se conforme o andar do expectador. O artista, que percorre os espaços observando todos os detalhes, identifica um ponto de vista favorável para que sua intervenção tome forma que geralmente acontece na altura dos olhos dentro de um trajeto definido, que inclui vãos de portas e janelas. Os desenhos geomátricos, podem ser vistos a partir de um único ponto de vista, quando o expectador se move, todo o desenho se deconstrói e se funde com o espaço em questão.

Via Arquitectura Arkinetia (vai lá, tem um monte de fotos!)

E um monte de usuários do Flickr com mais fotos do trabalho dele.

varini3.jpg

theo jansen

tj.jpg 

Sensacional o trabalho do artista plástico Theo Jansen. Ele é formado em ciências e cria esculturas cinéticas – construções complexas que usam tecnologia de ponta. As esculturas são gigantes, complexas e feitas com materiais leves, o que permite adquirirem vida própria graças a ação dos ventos. É incrível ver como esculturas tão grandes movem-se com tamanha leveza. Tem vários vídeos no You Tube, para assistir um clique aqui e aqui.É demais!

Eu vi no blog Ginga Blah

6emeia

6emeia1.jpg6emeia2.jpg 

Idéia bacana a dos artistas Leonardo Delafuente e Anderson Augusto do projeto 6emeia. Moradores da zonal central da cidade de São Paulo, o projeto nasceu da necessidade de mudança e revitalização dos bairros em que vivem, assim resolveram utilizar como suporte os bueiros da cidade em bom ou mal estado para fazerem grafites. ” E com os bueiros pintados propomos um novo tipo de linguagem entre arte/cidade e arte/pessoas…Os bueiros já pintados pelo 6emeia são como gotas coloridas em um imenso balde cinza.”

Mais fotos no Flickr e no Fotolog

Eu vi em vários blogs, entre eles o da Lu Terceiro, do Rodrigo Barba e no Neatorama

cerâmicas com arte

oficina_04-copia.jpgoficina_03-copia.jpgarteceramica_08-copia.jpgarteceramica_02-copia.jpg

Há alguns anos tive o privilégio de conhecer a Oficina Cerâmica Francisco Brennand no Recife. A fábrica foi instalada em uma antiga olaria do início do século XX e se tornou fonte de inspiração para o artista pernambucano que trabalha obsessivamente produzindo desenhos, pinturas, esculturas e objetos utilitários cerâmicos. O conjunto arquitetônico impressiona pela grandeza e adquiriu caráter de museu já que é ali que o incansável artista expõe seu trabalho rico em cores e formas carregadas de sensualidade que tornam o espaço expositivo  um ambiente muito estimulante e enriquecedor. Além dos objetos utilitários e de arte, a fábrica comercializa revestimentos cerâmicos semi-artesanais para piso e parede. Aqui em São Paulo o representante da Brennand é a empresa Lugar da Arte, uma charmosa loja na Vila Madalena, que vende desde os materiais para construção civil até as peças decorativas da Brennand, além de representar outros ceramistas brasileiros.